quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Construção de braço para baixo...

Olá a todos.

Hoje vou comentar algo que me deixou um pouco chateado. Há algum tempo recebi na oficina um baixo que apresentava um problema bem grave, que não é tão incomum, embora eu nunca tenha visto nesta intensidade. O braço do baixo apresentava uma torção séria que, acreditem, qualquer leigo perceberia. O que me chateia é que se trata de um baixo de braço integral construído por um Luthier que, por isso, deveria apresentar um controle criterioso de qualidade de construção e madeira.

A madeira realmente estava boa, mas a construção, como vocês podem perceber pelas fotos, deixou muito a desejar. Após perceber a torção, o cliente me solicitou que fizesse um braço para o baixo (opção dele transformar em braço aparafusado). Quando removi o braço original foi que percebi que os problemas eram mais sérios do que eu imaginava.

A remoção do braço foi feita com auxílio de uma serratico-tico e completa com serra manual. Removido, a parte de madeira do braço foi retirada, restando o corpo e o tensor.. O restante da escala foi então removido com calor e um espátula. Pode ser percebido pela próxima foto que o tensor foi instalado no braço de forma completamente fora de centro, o que pode ter auxiliado na torção. Além disso, o arredondamento do braço foi completamente assimétrico, o que também cotribui para a instabilidade do instrumento.

Após este passo, foi iniciada a costrução do braço. Foi escolhida uma mistura de duas madeiras para o braço: Marfim e Ipê preto, ou ipê dente-de-cão. Para a escala foi utilizado Jacarandá da Bahia.


A escala foi cortada copiando a escala do braço do baixo original (34").

A escala foi colada no braço e o corpo foi escavado

e moldado para o encaixe do braço. Após isso os trastes foram inseridos e o braço está pronto para o acabameto.







E aqui está ele. Corpo e braço prontos para o acabamento.

Seria muito legal se não fosse triste por ver uma construção tão mal feita deste baixo de braço integral, por um suposto luthier. Fica a mesagem: quando comprarem um instrumento de luthier, cabe conhecer os trabalhos do luthier antes de aprovar um orçamento, ou você corre o risco de ter que refazer, pois cada detalhe na conctrução é fundamental para a estabilidade e qualidade do instrumento.

Em um próximo Blog mostrarei o resultado final.

Até a próxima.


André



3 comentários:

  1. Caraca, que serviço grosseiro esse carpinteiro fez. rss rss. Tem que ficar de olho nesses caras, o que tem de "lluthie" por aí não é brincadeira.

    ResponderExcluir
  2. Realmente uma coisa absurda,coitado do baixista.DIGA NÃO AOS FALSOS luthIER.

    ResponderExcluir
  3. Esse baixo não é de luthier, meu caro.
    Esse aí é o Giannini AE014B, conhecido também como Giannini Alembic, feito na década de 80. O que o luthier fez foi tocar a frente do shape dele. Esse baixo vinha com 2 captadores P. Ele trocou as madeiras da frente do baixo, e com isso adaptou os captadores soapbar. A falha grotesca de construção é da Giannini, e não do luthier, que fez um trabalho bacana. Eu tenho um baixo desse aqui, e posso te garantir que isso se trata de um Giannini. Abraços!

    ResponderExcluir